AO VIVO OUÇA A NOSSA PROGRAMAÇÃO

Notícias

02.11.2018

Moro aceita comandar Superministério da Justiça de Bolsonaro

O juiz federal Sérgio Moro aceitou o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para comandar o superministério da Justiça, que irá integrar o atual Ministério da Justiça e da Segurança Pública, além da Controladoria-Geral da União e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras, atualmente sob comando da Fazenda. A informação foi confirmada por uma nota divulgada à imprensa na manhã desta quinta-feira (1º).

Segundo Moro, ele espera implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado, com respeito a Constituição, a lei e aos direitos. Com a decisão, o magistrado deixa a toga e deve se afastar dos processos da Operação Lava Jato já nos próximos dias. A juíza substituta da 13ª Vara Federal de Curitiba, Gabriela Hardt, deve assumir o comando das oitivas e julgamentos. Na nota, Moro disse que deve conceder entrevista coletiva.

“Fui convidado pelo Sr. Presidente eleito para ser nomeado Ministro da Justiça e da Segurança Publica na próxima gestão. Apos reunião pessoal na qual foram discutidas politicas para a pasta, aceitei o honrado convite. Fiz com certo pesar pois terei que abandonar 22 anos de magistratura. No entanto, a perspectiva de implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado, com respeito a Constituição, a lei e aos direitos, levaram-me a tomar esta decisão. Na pratica, significa consolidar os avanços contra o crime e a corrupção dos últimos anos e afastar riscos de retrocessos por um bem maior. A Operação Lava Jato seguira em Curitiba com os valorosos juízes locais. De todo modo, para evitar controvérsias desnecessárias, devo desde logo afastar-me de novas audiências. Na próxima semana, concederei entrevista coletiva com maiores detalhes”, diz a nota na íntegra.

Convite

Para especialistas que acompanham o processo político, ocupar o Ministério da Justiça representa uma espécie de rito de passagem para, futuramente, ser nomeado para o Supremo.

Durante o mandato presidencial, Bolsonaro poderá fazer duas indicações ao Supremo. A primeira oportunidade será em novembro de 2020, quando o ministro Celso de Mello, decano da Corte, completa 75 anos e será aposentado compulsoriamente. No ano seguinte, será a vez do ministro Marco Aurélio Mello deixar o STF.

Moro, de 46 anos, procura ser discreto nas atitudes, mas ganhou notoriedade ao comandar, há quatro anos, o julgamento em primeiro instância dos processos relativos à Operação Lava Jato, nos quais foram envolvidos nomes como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro José Dirceu, empresários e parlamentares.

O escândalo relativo aos desdobramentos da Lava Jato é considerado um dos mais complexos casos de corrupção e lavagem de dinheiro no país.

No ano passado, Moro condenou Lula a nove anos e seis meses de prisão. Foi a primeira condenação de um ex-presidente da República. A decisão foi ampliada em segunda instância, e o ex-presidente agora cumpre pena em Curitiba, desde abril.




Por: Fernando Garcel, Paraná Portal

CONTATOS

(44) 3014-1115
(44) 99951-5252
paulopimentelm@gmail.com
http://radioingamar.com.br/

REDES SOCIAIS

Gerência: Paulo Pimentel
Email: paulopimentelm@gmail.com
Celular: (44) 99951-5252